CH Tecnologia
Rua Adalberto Ferraz, 42
Belo Horizonte - MG
CEP: 31.210-020
0800 200 0802
(31) 3311-0800
Últimos Posts
Pesquisar

Blog

Estoque da Amazon para exemplificar a identificação de etiquetas por rádiofrequência

Por que implantar radiofrequência nos Centros de Distribuição?

Por Doug Harvel

Você pode até não saber, mas o último artigo que você comprou na internet foi armazenado e distribuído de acordo com etiquetas de rádiofrequência (RFID), uma forma de identificação poderosa, que facilita a gestão de estoque nos Centros de Distribuição (CDs), mas que ainda não é utilizada em todo o seu potencial.

Imagine nunca mais comprar algo que depois ficou indisponível, deixar de receber os produto errados ou saber a data precisa de quando sua encomenda vai chegar à sua porta – porque ninguém fica em casa de 05 a 10 dias úteis. Agora visualize a organização que isso traria não só para você, mas para toda a empresa que lida com estoque e logística.

De fato, a identificação por rádiofrequência pode ajudar todos esses processos, principalmente da gestão de estoque, onde todos os artigos são obrigatoriamente etiquetados.

De acordo com o RFID Lab, da Universidade de Auburn, há muitos trabalhos publicados que ilustram como essa identificação pode controlar o estoque e níveis de produtos em um centro de Distribuição.

Como melhorar?

  • Otimizar o transporte:

Para tudo chegar nesses grandes armazéns do Centro de Distribuição, precisamos de caminhões. Ao invés de perder tempo descarregando cada remessa, um túnel com identificação de rádiofrequência poderia ser colocado na doca, separando cada produto.

  • Evitar erros no pick-and-pack: 

Pick-and-pack é a área onde o funcionário escaneia a etiqueta cada item e monta uma caixa para ser enviada. Se o empregado colocar o item errado e o sistema não identificar, toda a encomenda pode chegar de forma incorreta.
Os Centros de Distribuição sabem que isso acontecem, e fazem contagens de ciclos para diminuir os problemas, que também pode falhar. Uma forma quase infalível é justamente através da identificação de radiofrequência.
Em cima de cada estação de trabalho, um leitor RFID. Item errado escaneado? O sistema sinaliza. Item correto? O estoque é atualizado na hora.

  • Checagem dupla:

A maioria dos Centros de Distribuição tem um sistema de transporte para mover as caixas. Se incluirmos um túnel de RFID no transportador, cada embalagem é auditada novamente, através de WMS – softwares de gestão de armazéns.

Qualquer problema de identificação pode ser checado diretamente no túnel, que mudaria a direção dos pacotes incorretos, para serem corrigidos antes de chegar à porta do cliente.

Até agora resolveríamos a maioria dos problemas nas entregas: itens indisponíveis são identificados, mudam o estoque e sinalizam para o cliente em tempo real. Identificação e checagem seriam resolvidos por identificação de rádiofrequência, nada de receber o produto incorreto. Mas e quanto a data precisa de quando a sua encomenda vai chegar?

  • Padronização das informações:

Essa proposta vai além da identificação por radiofrequência nos armazéns. A ideia aqui seria padronizar essa identificação e integrá-la aos serviços de entrega. Pacotes poderiam ser rastreados junto com o GPS de cada veículo, mostrando exatamente onde cada encomenda está.

Se interessou pelas ideias? Veja as soluções de RFID que a CH pode oferecer.

Doug Harvel, profissional do RFID

Doug Harvel é consultor de RFID com mais de 20 anos de experiência em ambiente de produção e distribuição usando software WMS da Manhattan Associates.

Imagens via The Honest Bison, FastCo e Wikipedia.

Sem comentários

Deixe um comentário